Pesquisar este blog

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

FETAC EM CENA 2018 COMEMORA 40 ANOS DE TEATRO NO ACRE


A FETAC comemora 40 anos de existência realizando seu Festival Estadual de Teatro – FETAC em Cena 2018. Como é tradicional, conta com uma programação constituída pela produção teatral dos grupos produtivos do Estado do Acre como GPT, Cia. Visse e Versa, Grupo Aguadeiro, Cia Garatuja de Artes Cênicas, Grupo Experimental de Teatro Vivarte, Cia. do Macaco Prego da Macaca e Tropa Mamulungu, que estarão em cartaz durante 07 dias compondo uma programação de espetáculos de 05 a 11 de novembro..
Além dos espetáculos “A menina e o Palhaço”, “Yunu Pãni”, “Indocumentados”, “Ikuani”, “Teatrilho Vivarteiro”, “Agreste”, e a Performance “Para Eros e Thanatos”, o festival contará também com “Carinõ Malo” do Grupo Lisístrata e para fechar com chave de ouro o Espetáculo Convidado “OperATA” do Agrupação Teatral Amacaca de Brasília-DF.
O FETAC em Cena também realiza o Seminário Acreano de Teatro com o tema “Teatro 40 anos em Debate”, que acontecerá durante os dias 05 e 06 de novembro, nos turnos da manhã e tarde. O Seminário tem por objetivo reunir a memória daqueles que passaram pelo movimento teatral nas décadas de 70, 80 e 90, com a finalidade de construir a partir da oralidade dessas pessoas o caminho seguido até aqui pelos fazedores de teatro do Acre.
Sendo assim, a FETAC elegeu como ponto inicial para o debate a construção da verdadeira memória do teatro acreano nos últimos 40 anos por quem vivenciou um movimento político, cultural e social do teatro, levando em conta a luta e a resistência cultural focada nos princípios do Teatro Amador ao Profissionalismo. O Seminário vai contar com pessoas importantes que contribuíram ou que contribuem com essa história como Eleonora Farias, Romualdo Freitas, Francis Mary (a Bruxinha), Ivan de Castella, João Veras, Dinho Gonçalves, Francisco Estevão (o Major), Maiara Rio Branco e Andrea Favilla, dentre outros, sendo as duas últimas para abordar a atualidade do teatro Acreano e as repercussões do passado, e o futuro, no sentido do fazer, da formação e da difusão como vetores da função social do teatro.
O Festival Acreano de Teatro 2018 abrirá sua programação com a Reinauguração do Teatro Barracão, localizado no Bairro da Sobral, construído pela FETAC em 1980 e inaugurado em 1981, que sempre foi o local símbolo da resistência cultural do teatro, aliado à memória e à luta da população da Baixada do Sol, na ocupação e formação da comunidade que mais se identifica com a formação da cidade de Rio Branco e que não poderia deixar de ser lembrado e utilizado. O Teatro Barracão receberá espetáculos durante toda a programação de 5 a 11 de novembro
O Teatro de Arena do SESC, que se confunde com a História da FETAC nesses quarenta anos, terá apresentações todos os dias, de 05 a 11 de novembro, com espetáculos Infanto-juvenis e adultos, sempre as 17h e 20h. A Usina de Arte João Donato também será palco de apresentações do evento com apresentação de “OperATA”, de Brasília, nos dias 10 e 11 de novembro, as 20h.
Todas as apresentações no Teatro de Arena do SESC e na Usina de Arte João Donato serão pagas ao custo popular de R$10 e R$5 reais, e as apresentações no Teatro Barracão serão inteiramente gratuitas, além de apresentações para alunos da Escola Frei Heitor Maria Turrine, na Cidade do Povo.
Para realização do FETAC em Cena 2018, a FETAC conta com a parceria da FGB/ Prefeitura de Rio Branco e o Patrocínio da FEM/Governo do Acre, através do Fundo Estadual de cultura – FUNCULTURA 2017.

Rio Branco, 30 de outubro de 2018

Maiara Pinho, Presidente da FETAC
Lenine Alencar, Coordenação do FETAC em cena 2018

segunda-feira, 7 de maio de 2018

“Brabas” questões trazidas à cena pela cia. La Casa



Alexandre Falcão de Araújo[1]

Na noite de 27 de abril de 2018, a pequena praça Nossa Senhora das Candeias, na cidade de Japaratinga, litoral norte de Alagoas, recebeu a apresentação de “A mulher braba”, da cia. La Casa, de Maceió. A apresentação aconteceu por meio do projeto “Circuito Alagoano de Teatro”, realizado pela cia. Nêga Fulô, também de Maceió, com recursos do prêmio Mestre Cicinho (do governo do estado) e em parceria com a prefeitura local.
O trabalho tem a direção e adaptação de Abides de Oliveira, importante artista teatral da cena alagoana, oriundo do coletivo Joana Gajuru, grupo do qual se desvinculou em 2015. Abides é responsável pela organização de publicações de referência na cena regional, como o catálogo dos grupos de teatro de rua do Nordeste (OLIVEIRA, 2014) e o catálogo de 15 anos do grupo Joana Gajuru (OLIVEIRA, 2010), além de ter sido colaborador do capítulo alagoano da “Cartografia do Teatro de Grupo do Nordeste” (YAMAMOTO, 2012), realizado pela cia. Clowns de Shakespeare.
Abides de Oliveira - Cia La Casa, em Japaratinga.
Além disso, recentemente Abides também entrou em cena no espetáculo “A mulher braba”, substituindo outro ator. Em cena, somam-se a ele as atrizes Ane Oliva e Tereza Gonzaga, o ator Gi Silva e o músico Gama Filho. Não por acaso, todos os atores e atrizes do elenco passaram pelo grupo Joana Gajuru, um coletivo de destaque na história do recente teatro alagoano. O diretor da cia. La Casa ressalta, inclusive, a influência dos grupos Imbuaça (de Aracaju, Sergipe) e Joana Gajuru no trabalho da La Casa, uma vez que a vertente do teatro popular, muito presente no teatro de rua alagoano, é a principal característica do trabalho em “A mulher braba”.
Na data da apresentação em Japaratinga, apesar da forte e insistente chuva que caiu ao longo do dia e até meia hora antes do horário marcado para a apresentação, o público compareceu em peso, assim que a chuva cessou. A maioria dos presentes era formada por moradores da comunidade, já que é período de baixa temporada e não havia muitos turistas hospedados na cidade. O público reagiu muito bem à apresentação, que conta a história de um pai e uma mãe ricos, que querem casar a filha, uma jovem brava e arredia. Mas, os pais só conseguirão “solucionar” o matrimônio da filha com o aparecimento de um jovem plebeu.
                De forma eminentemente épica, o espetáculo se inicia com a apresentação do elenco (com brincadeiras com os nomes das atrizes e dos atores) e suas personagens ao público. Com estrutura narrativa simples, as personagens-tipo logo são reconhecidas pelo público: o pai que tenta impor respeito, mas não consegue; a mãe mandona e autoritária; a filha brava e rebelde e o plebeu “astuto”.
                Como é característico de grande parcela do teatro popular, o elenco traz uma bela, simples e expressiva maquiagem, que ressalta os tipos das personagens. Além disso, joga bastante com o público, que participa e se diverte juntamente com as e os artistas. Nas palavras do diretor, o grupo tenta aproveitar ao máximo as interferências e participações do público, como aconteceu neste dia, na cena do casamento, em que, de improviso, duas crianças do público foram convidadas a fazer as daminhas de honra da noiva. Isso gerou uma situação muito curiosa e cômica, já que a cena estava longe de ser romântica, pois a noiva seguia bem brava, o que trazia um contraponto ao divertimento das crianças em cena.
               
Ane Oliva em A Mulher Braba
Outro ponto de destaque da encenação são as músicas, todas autorais e executadas ao vivo, que narram, contextualizam e dão uma atmosfera festiva para o espetáculo. Especificamente no dia em que assisti, houve uma dificuldade técnica em relação aos microfones head-set, em parte devido à chuva anterior à apresentação, pois não houve tempo para testá-los bem. Assim, eles acabaram não funcionando corretamente, o que levou o elenco, já durante a cena, a desistir de usá-los.
As questões tecnológicas ainda seguem como desafio para o teatro de rua, uma vez que se relacionam com, além de limites financeiros, diversos fatores como o clima, que não podem ser controlados em espaço aberto. Neste dia, especificamente, as dificuldades com os microfones causaram perdas na concentração das atrizes e dos atores e limitações de movimentação (já que quando eles se movimentavam mais rapidamente o equipamento deixava de funcionar). Após o grupo abandonar os microfones, sua movimentação e concentração melhorou e a voz falada esteve bem audível, mesmo sem amplificação. Apenas o canto ficou com volume mais baixo, sendo um pouco difícil perceber os arranjos propostos. Ainda em relação à parte musical, o competente músico e compositor Gama Júnior talvez também pudesse ser melhor utilizado em cena.
Tratando da movimentação, o grupo utiliza bem os procedimentos de entradas e saídas de cena e o uso de alguns espaços externos à roda, para o jogo entre o elenco e com o público. No entanto, o elenco esteve tímido em relação à construção das máscaras corporais, apoiando-se muito no texto e nas habilidades verbais, ficando aquém do potencial físico que a obra permitiria. Destaco, porém, o trabalho da atriz Ane Oliva, como “mulher braba” que, em diversos momentos, deu intensidade à sua máscara corporal, aproveitando-se do potencial oferecido pela personagem.           
Retornando à estrutura da narrativa, é importante contar que o texto montado pela cia. La Casa é uma livre adaptação do original “O Moço que casou com a mulher braba”, datado do século 14 e de autoria do escritor espanhol Don Juan Manuel. Tal obra recebeu uma nova versão, em 1903, do também espanhol Alejandro Casona. Abides ressalta que o texto original era muito mais violento, e também, podemos imaginar, extremamente machista. Na montagem da cia. La Casa, o texto tornou-se mais leve, com alterações de algumas cenas que não seriam aceitas nos dias atuais.
Ainda assim, a temática da montagem repercutiu e, em apresentações em Maceió, algumas militantes feministas se manifestarem contrárias à conclusão do espetáculo, em que a filha se casa com o plebeu, se submetendo a ele. Tais críticas ecoaram no grupo e a cena foi alterada, de forma que a real submissão da filha ao novo marido torna-se dúbia, na medida em que a personagem declara: “É uma hora servir e honrar o homem de sua casa”, ao mesmo tempo em que faz um gesto explícito para o público indicando que estava mentindo, que aquela não era sua real posição.
                Sensível ao posicionamento de mulheres do público, o grupo alterou o sentido final da obra, questionando a submissão da esposa em relação ao marido. Assim como na encenação de “Torturas de um coração”, da cia. Nêga Fulô (apresentada em texto anterior, neste mesmo blog), o humor popular e seus preconceitos são colocados em questão na atualidade, na medida em que nos perguntamos: estamos fazendo uma denúncia ou reforçando os estereótipos e relações de poder? Creio que as respostas a tais perguntas não são únicas, nem tão óbvias e devem ser sempre pensadas em relação ao contexto. Na capital alagoana, a encenação incomodou parte do público e foi alterada. No interior, já com a cena final adaptada, a impressão é de que o público (que talvez ainda viva ou veja mais frequentemente em seu cotidiano relações machistas, tidas como naturais) reconheceu a situação vivenciada pela mulher braba, mas apesar das críticas apresentadas na montagem à situação de opressão, ainda parece ficar contrário a personagem feminina central.
A mulher braba denuncia: “Fui obrigada a casar!” e, em outro momento, critica o público presente que gargalhava: “dançando com a miséria dos outros!”. No entanto, após o término da apresentação, uma senhora do público passa ao lado da roda e diz, de forma brincalhona, para a atriz Ane Oliva, ainda caracterizada como sua personagem: “_Case, mulé!”. Uma simples e espontânea participação de uma espectadora parece indicar certa concordância com os padrões machistas de relacionamento ainda predominantes em nossa sociedade.
As temáticas feminista e de gênero estão na pauta contemporânea do teatro de rua e vêm sendo abordadas em cena ou debatidas, por exemplo, pelos jovens coletivos femininos Mãe da Rua e Madeirite Rosa, ambos de São Paulo e pelo grupo Resta Nóis, de Florianópolis.  O desafio de pesar e medir, a cada momento, as escolhas estéticas e políticas para as cenas, seguirão no horizonte dos grupos que se aventuram a ir pra rua com suas obras e que têm seriedade e compromisso em seu fazer artístico, como é o caso da cia. La Casa. Dessa forma, creio que o que me cabe aqui é lançar dúvidas e reflexões, que deverão ser encaradas continuamente ao longo de nossas trajetórias e em diálogo com os movimentos sociais e com as parceiras e parceiros de nosso ofício e de nossas lutas.

Referências
OLIVEIRA, Abides de. Joana Gajuru 15 anos: memórias dos filhos de Joana. Maceió: Associação Teatral Joana Gajuru, 2010.
OLIVEIRA, Abides de. Beleza, cheguei agora! Grupos de teatro de rua do Nordeste. Maceío: 2014.
YAMAMOTO, Fernando Minicuci. Cartografia do teatro de grupo do Nordeste. Natal (RN): Clowns de Shakespeare, 2012.


[1] Ator, arte-educador e pesquisador teatral. Professor do Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e articulador da Rede Brasileira de Teatro de Rua (RBTR).

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Circulando, improvisando e gerando muitas risadas: o divertido e importante trabalho da Cia. Nêga Fulô



Alexandre Falcão de Araújo[1]

Entre os dias 26 e 27 de abril passados, tive a oportunidade de acompanhar o projeto “Circuito Alagoano de Teatro”, realizado pela cia. Nêga Fulô, de Maceió, com recursos do prêmio Mestre Cicinho, do Governo do Estado de Alagoas.
                Foi uma oportunidade muito especial de conhecer um pouco da cena alagoana de teatro de rua e o contexto da produção e circulação artística para além da capital do estado. Como explica Régis de Souza, um dos fundadores e integrante do grupo, o projeto foi proposto para popularizar e promover a circulação dos espetáculos de rua da cia., mas também são convidados outros grupos do estado que atuam na rua. Assim, o circuito, que se encerrará no próximo dia 12/05, contemplará ao total 16 apresentações, em 09 cidades do estado, com oito espetáculos diferentes, dos grupos: Nêga Fulô, La Casa, Clowns de Quinta, Coletivo Volante, Turma do Biribinha e Associação Teatral das Alagoas -ATA. Por meio do projeto, o grupo proponente, juntamente com as prefeituras e grupos parceiros, consegue promover muitas (e importantes) ações com poucos recursos.
Cena do espetáculo Torturas de um coração, em cena Regis de Souza (Benedito)
e Diva Gonçalves (Marieta). Praça Nossa Senhora das Candeias, Japaratinga.
Foto: Alexandre Falcão
                Na etapa que pude acompanhar, as apresentações aconteceram na pequena de Japaratinga, com população estimada em pouco mais de 8.000 habitantes, no litoral norte de Alagoas. Na quinta-feira à noite na miúda praça Nossa Senhora das Candeias, a principal da cidade, em frente à prefeitura e ao lado da singela igreja colonial, inicia-se a montagem do espaço de encenação. As crianças são as primeiras a se aproximar. Converso com o jovem Caio, morador da comunidade e estudante do quinto ano do Ensino Fundamental. Pergunto se ele já viu teatro na cidade alguma vez, ele conta que viu, ali na mesma praça, mas há muito tempo atrás, quando ainda era bem pequeno, “como aquela criança ali”, e aponta outra criança menor, de cerca de cinco anos, que estava do outro lado da roda. Posteriormente tal informação é confirmada pela dedicada secretária de Cultura da cidade, Cida de Oliveira, que também lembra que a última vez que a cidade recebeu teatro foi há vários anos atrás.
                Como na maioria das cidades do país (IBGE, 2014), Japaratinga não possui equipamento específico para apresentação de teatro em espaço fechado, não tem um edifício teatral ou mesmo outro espaço adequado para uma apresentação teatral. Tal fato, por si só, já dá indicativos do valor do teatro de rua para a difusão e acesso à cultura em nosso imenso e desigual Brasil. Além da dimensão fundamental de acessibilidade geográfica e econômica, o teatro de rua, na maior parte dos casos, promove também o acesso temático (MATE, 2011), compartilhando criações artísticas com formatos diversos, mas que sempre buscam uma troca efetiva com o público, sem hermetismos formais.
                Esse foi o caso de ambos os espetáculos que pude assistir em Japaratinga: “Torturas de um coração”, com a cia. Nêga Fulô, e “A mulher braba”, com a cia. La Casa. Ambas as companhias, oriundas da capital alagoana, trabalham com o chamado teatro popular, característica marcante da cena de rua regional. Apresento a seguir uma leitura do espetáculo “Torturas de um coração”, de Ariano Suassuna, originalmente escrito para funcionar como um entremez para teatro de mamulengos, mas adaptado para teatro de rua na montagem da Cia. Nêga Fulô, sob direção de Glauber Teixeira.
                No elenco, a atriz Diva Gonçalves e os atores Alderir Souza, Daniel Dabasi, Moab de Oliveira e Regis de Souza, todos experientes e com aguçado jogo de improvisação com o público. Já no cortejo inicial, cantando e dançando, vindo pela rua em direção à praça, o elenco brinca com os passantes. O grande (em estatura e presença cômica em cena) Regis de Souza, caracterizado como Benedito, senta à mesa de um boteco na esquina da praça, junto às pessoas desavisadas que lá estavam, come da comida e bebe a cerveja que estava na mesa, o que gera gargalhadas de quem assistia do entorno e dos próprios “parceiros” da mesa de boteco.
                A estrutura da encenação, além de favorecer o jogo com o público, que acontece o tempo todo, se vale também de diversas músicas do cancioneiro popular nordestino - cantadas ao vivo com acompanhamento percussivo - como “Pisa na Fulô” (de João do Vale) e “Procurando Tu” (de Antônio Barros) que imediatamente são reconhecidas pelos espectadores.
                Logo no início da obra, são apresentadas as personagens: Benedito (o malandro popular, cuja figura pode ser comparada à de Mateus, do cavalo-marinho e de diversos folguedos como o boi, ou ainda ao Brighella, da Commedia dell´Arte[2]), os valentões (mas, nem tanto) Cabo Setenta e Vicentão, o belo e afeminado (ou suspeitoso, nas palavras de Suassuna) Afonso Gostoso e a ingênua (mas também, nem tanto) Marieta. No enredo simples e funcional, todos as figuras masculinas disputam o amor de Marieta, mas são vencidas por Benedito que, apesar de ser o mais pobre e sofrer preconceito por ser negro é o mais astuto e passa a perna nos demais.
                A bufonaria é a marca do texto e a da atuação da cia. Nêga Fulô, porém vale ressaltar que esta bufonaria quase o tempo todo é horizontal: o jogo se dá de igual para igual. As personagens fazem “zoada” (como se diz popularmente em Alagoas) com o público e vice-versa, além de fazerem piadas com si próprios, como atores e personagens. Em Japaratinga, onde secretários municipais e um vereador também assistiam e se divertiam com a apresentação, sobrou até para um secretário municipal entrar em cena e ser caçoado pelo Cabo Setenta. Mas, logo na sequência, Cabo Setenta, que é interpretado por Moab de Oliveira, também é “zoado” por suas características físicas.  Ainda no início do espetáculo, o mesmo Cabo Setenta pergunta ao público: “O que vocês estão fazendo aqui uma hora dessas? Deveriam estar em casa!”. De forma irônica, a piada induz à reflexão quanto a necessidade de ocupação cultural dos espaços públicos.
                Em relação à comicidade, o texto, como é característico do teatro popular, propõe muitas piadas que hoje podem ser consideradas preconceituosas, no tocante ao machismo, racismo e homofobia. Na montagem, a cia. Nêga Fulô abdica de muitas das piadas do texto original, mas mantém parte delas, principalmente as gozações com o Nego Benedito, feitas pelas outras personagens. Alguns integrantes do grupo contam que, durante uma apresentação no centro de Maceió, um senhor negro de idade avançada se manifestou no meio de uma das cenas, denunciando que eles tinham dito uma piada racista. Algumas zombarias as quais sofre Benedito fora da encenação podem ser consideradas racismo, porém é preciso compreender o contexto e o sentido em que elas são utilizadas na montagem, se como denúncia de uma realidade ainda muito presente em nosso cotidiano ou como legitimação dos preconceitos. Enfim, são muitas as leituras possíveis, a partir dos distintos lugares de onde se vê e talvez o espetáculo permita, no mínimo, as duas leituras anteriormente mencionadas.
                Vale ressaltar que na obra encenada, assim como no texto original, o personagem negro cria empatia no público e, apesar dos preconceitos sofridos, com a astúcia características dos tipos universais populares, “vence” todos os demais, usando, no entanto, também sua força física, o que pode denotar o reforço de certo estereótipo da negritude. Penso que o elenco (que é, em sua maioria, negro) está atento à essas questões e às possíveis leituras de sua obra e pode seguir adaptando-a de acordo com as transformações contemporâneas das consciências de raça, etnia, gênero e sexualidade. 
                A marca cômica e improvisacional da montagem permite, por exemplo, que Régis de Souza insira, em meio a uma cena como Benedito, uma crítica à Jair Bolsonaro, crítica esta que, aparentemente, gera um incômodo em parte do público. Em outro momento o mesmo Benedito induz o público a responder positivamente a uma pergunta, em relação a uma situação que a encenação mostrava que era mentirosa. O público adere ao pedido da personagem e então Benedito responde e provoca: “Assim começa a corrupção!”, lançando mais um aspecto de crítica política por meio de um humor leve e relacional. O elenco insere ainda, gags clássicas, como um trocadilho com a palavra “cutuvelo” (pronunciada com a primeira sílaba destacada das demais), o que gera muitas gargalhadas nos espectadores. De forma geral, o público de Japaratinga mostrou-se muito participativo, comentando as cenas, respondendo às piadas, provocando as personagens e, pelo que pude observar, divertiu-se enormemente com a apresentação.
Como já ressaltado, o elenco destaca-se pela capacidade de improviso e relação com o público, no entanto, provavelmente pela dificuldade em manter uma rotina intensa de ensaios (já que todos os integrantes tiram seu sustento de outros trabalhos) e apresentações (pela escassez de apoios), deslizam em alguns momentos, com esquecimentos de texto e de acompanhamento na sonoplastia. Mas, devido à intimidade do grupo em cena e às suas habilidades, parte dos erros são bem contornados e geram mais piadas, a partir do improviso. As partituras corporais do elenco também deixam um pouco a desejar, já que eles se apoiam muito em suas habilidades discursivas. Por vezes, tive vontade também de ouvir um acompanhamento de instrumento harmônico às músicas utilizadas no espetáculo, mas compreendo que nem sempre é possível contar com músicos acompanhando a trupe.
Por fim, é importante lembrar como é difícil manter a continuidade de trabalhos como esse, e como é necessária a existência de mais políticas públicas para manutenção e circulação destas obras, o que geraria também um crescimento estético das encenações, uma vez que com mais oportunidades de apresentação, o trabalho tende a se desenvolver. Assim, sigo na torcida para que os poderes públicos ampliem sua sensibilidade e atuação nas políticas culturais e que o grupo tenha longa vida e possa levar seu trabalho para diversas localidades, muitas das quais só têm acesso ao teatro graças a trabalhos como o realizado pela Cia. Nêga Fulô.

Referências
IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Perfil dos estados e dos municípios brasileiros: cultura: 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95013.pdf Acesso em 02 de maio de  2018.

MATE, Alexandre. Apontamentos acerca do conceito de acessibilidade. In: MATE, Alexandre. O teatro adulto na cidade de São Paulo na década de 1980. São Paulo: Editora Unesp, 2011.
SANTOS, Ivanildo Lubarino Piccoli dos Santos. O dueto cômico: da Commedia Dell´Arte ao cavalo marinho. Tese (doutorado). Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista (Unesp), São Paulo, 2015.


[1] Ator, arte-educador e pesquisador teatral. Professor do Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e articulador da Rede Brasileira de Teatro de Rua (RBTR).
[2] SANTOS (2015).

A encenação da “Última pena de morte no Brasil”, em Pilar: os desafios para não enforcar a história do povo negro



Alexandre Falcão de Araújo[1]

Em 28 de abril de 2018 completaram-se 142 anos do evento que é considerado a última execução por pena de morte no Brasil. Trata-se da execução do negro escravizado Francisco, ocorrida na cidade de Pilar (que atualmente é parte da região metropolitana de Maceió), na província de Alagoas, em 1876. Francisco, juntamente com outros dois negros escravizados, foi julgado pelo assassinato do capitão da guarda da província e proprietário de escravos João Evangelista de Lima e sua esposa, Josefa Marta de Lima. Os assassinatos teriam ocorrido como revolta contra os maus-tratos sofridos por parte dos senhores e na ânsia por liberdade. De acordo com a lei vigente à época, Francisco foi condenado à pena de morte enquanto o outro negro escravizado que fora preso, Vicente, acabou morrendo no cárcere.
Há 18 anos este marcante e trágico acontecimento é foco de uma encenação grandiosa, intitulada “A última pena de morte no Brasil”, de autoria e direção de Alberto do Carmo, com promoção da Prefeitura do município de Pilar e ampla participação da população.
Pilar em 1869
No dia em que se lembra o doloroso fato histórico, tive a oportunidade de assistir ao espetáculo em sua mais recente encenação. Pelos relatos de amigos soube que originalmente a encenação acontecia de forma processual, pelas ruas e espaços públicos da cidade de Pilar, terminando no sítio Bonga, onde ocorreu o assassinato de Josefa e, posteriormente, o enforcamento de Francisco. Porém, como este período do ano, na região, é muito chuvoso, algumas edições da encenação foram prejudicadas e então optou-se por leva-la para o Ginásio de Esportes Nossa Senhora do Pilar, onde a apresentação tem ocorrido nos últimos anos.
Os registros históricos indicam que a execução da pena de morte foi realizada com amplo caráter espetacular, de forma a “servir de exemplo” para que tal tipo de crime não mais ocorresse. Não pude assistir à encenação em sua versão itinerante pelas ruas da cidade, mas posso imaginar a força simbólica que ela deveria alcançar, na relação com os locais históricos onde ocorreram a sequência de atos violentos. Porém, independente do local onde é apresentada a encenação, é louvável a iniciativa do poder público municipal em realiza-la e é bonito ver o envolvimento de parte da população da pequena cidade, de cerca de 35.000 habitantes, em sua concretização.
 O elenco envolve jovens estudantes de oficinas de teatro e dança da comunidade, além de experientes atores e atrizes convidados e outras personalidades da região. Salta aos meus olhos “estrangeiros” o caráter sincrético da cultural regional e da abordagem trazida no espetáculo, uma vez que os ritos afro-brasileiros são mostrados de forma imbricada à presença da religião católica. Inclusive, as cenas que mais me encantaram foram as de dança afro e capoeira, lideradas por artistas e capoeiristas mais experientes, acompanhados por jovens aprendizes que entraram em cena junto a seus mestres.
É muito bonito também ver em cena a presença de atrizes e atores negros, que compõem a maioria do elenco, interpretando inclusive alguns papeis como o de senhor de escravos, gerando uma inversão do que tradicionalmente ocorre, por exemplo, na teledramaturgia brasileira, em que a presença de artistas negros é absurdamente desproporcional à realidade étnica de nossa população.
Porém, parte do meu encantamento se esvaiu com a perspectiva histórica que é trazida pela encenação. Ao apresentar a história, especialmente do meio para o final da trajetória cênica, parece que os responsáveis optam por conta-la do ponto de vista dos vencedores, ou seja, da elite imperial.
O olhar da encenação me parece extremamente condescendente com a política imperial e com a postura oficial da Igreja Católica à época. O dramaturgo coloca “na boca” do Imperador Dom Pedro II e dos homens livres (e brancos) da elite, um discurso que não parece condizer com o que os documentos históricos indicam em relação ao discurso oficial de meados do século XIX.
Não sou nenhum especialista em história imperial e muito menos na história alagoana, porém uma pesquisa na internet me levou a alguns artigos que reforçaram minhas dúvidas quanto à perspectiva assumida pela Encenação.
Destaco aqui o artigo “Crime e Castigo: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem no Império Brasileiro (1830-1876)”, de autoria de Oseas Batista Figueira Junior (FIGUEIRA JUNIOR, 2017), historiador e mestrando em História Social pela UFAL. Nos parágrafos a seguir, parto da análise de Figueira Junior e mais algumas referências (devidamente citadas), para ajudar a contextualizar parte da perspectiva oficial em relação à escravidão.
Francisco foi condenado a partir da Lei 4, de 10 de junho de 1835, lei esta que só foi de fato revogada com a proclamação da República e a aprovação de uma nova constituição, em 1889. A dura lei de 1835 tem grande semelhança com o primeiro Código Criminal do Brasil, aprovado em 1830, sendo que ambos eram, de certa forma, respostas ao medo da elite imperial frente às revoltas e insurreições de escravos.
            A inserção da pena de morte no código criminal gerou amplo debate, de forma que o deputado André Rebouças manifestou sua posição de que a inclusão da pena capital seria uma grave desobediência às leis divinas. No entanto, esta visão de Rebouças restringia-se aos homens livres e brancos, pois em relação aos negros escravizados, o deputado assim se manifestou:

Os escravos não podem assaz prezar a vida por que assaz a não gozam; se para alguém a morte é menos repressiva, é pra eles, e sem nenhuma boa esperança se insurgem e morrem brutalmente (...). Faça-se para os escravos uma ordenança separada; e por eles não façamos tamanho mal aos cidadãos, aos homens livres. Ninguém pode tirar a vida do homem, que não deu nem pode reparar; tirá-la é contra o poder divino, está fora do poder humano; nenhum legislador pode decretar a pena de morte (REBOUÇAS apud FIGUEIRA JUNIOR, 2017, p. 193-194).

            Fica claro pelo teor do discurso, que os negros escravizados não eram considerados humanos. Na mesma perversa linha de raciocínio se manifesta o deputado Paula Cavalcanti:
(...) quem senão o temor da morte fará conter essa gente imoral nos seus limites (...) exclui-se do código a pena de morte e das galés; resta a prisão simples. Ora, o escravo que viver (...) encerrado numa prisão pode se entregar a ociosidade e a embriaguez. Paixão favorita dos escravos (...). A pena de galés é ainda muito doce para essa qualidade de gente (CAVALCANTI apud FIGUEIRA JUNIOR, 2017, p. 194).

Em resumo, a lei de 1835 foi um endurecimento do Código Penal de 1830 e se aplicava especialmente aos negros e negras escravizados. Consta no artigo 1º da Lei 4, de 1835:

Serão punidos com a pena de morte os escravos ou escravas, que matarem por qualquer maneira que seja, propinarem veneno, ferirem gravemente ou fizerem outra qualquer grave offensa physica a seu senhor, a sua mulher, a descendentes ou ascendentes, que em sua companhia morarem, a administrador, feitor e ás suas mulheres, que com elles viverem.[2]

Tal lei se manteve no ordenamento jurídico brasileiro até a nova constituição republicana. Apesar da pena de morte continuar valendo para homens brancos e livres, regulamentada pelo Código Penal de 1830, na maior parte dos casos as execuções eram aplicadas somente a homens negros. Diferentemente do que é dito na encenação de Pilar, apesar de gradualmente não ter sido mais aplicada, a Lei 4, de 1835, foi mantida por Dom Pedro II, por motivos políticos ligados aos interesses de manutenção do Império.
            Apesar de em algumas publicações ser citado que Dom Pedro II seria contrário à escravidão, uma das hipóteses mais aceitas é de que esta posição só seria consolidada após encontros do imperador com o escritor francês Victor Hugo, ocorridos após a condenação de Francisco (WESTIN, 2016).
            No aparente esforço de desenhar um quadro positivo do imperador e da elite da época, a encenação de Pilar acaba por legitimar o discurso oficial e quase justificar a execução de Francisco, frente ao horrendo assassinato cometido, sem deixar de analisar e pesar (especialmente do meio para o desfecho da obra), quão horrenda foi a escravidão que perdurou por mais de três séculos em nosso país e que foi responsável pela morte de incontáveis negras e negros escravizados.
            Nesse mesmo sentido, na encenação, frente à iminência da execução de um dos seus irmãos, as personagens escravizadas apresentam um discurso de passividade e resignação, dizendo que para alcançar a liberdade era preciso esperar. Ouvir um discurso desse tipo na região onde Zumbi dos Palmares e seus conterrâneos promoveram sua resistência e enfrentamento me deixou bastante incomodado.
            Talvez de forma não intencional, a encenação acaba por culpabilizar o povo negro pela sua situação e no afã de promoveu um discurso pacifista, mas que por vezes soa ingênuo ou parcial (no sentido de defender a paz para apenas uma parcela da sociedade), acaba por apresentar personagens da elite imperial, econômica e religiosa supostamente humanistas, mas que, ao mesmo tempo, perpetuam a escravidão! Segundo a fala de uma das personagens brancas, o erro dos senhores de escravos (e, indiretamente, da elite social como um todo) não teria sido a escravidão em si, mas os “excessos”, como os açoitamentos e outros maus-tratos que ajudavam a manter o controle dos negros escravizados e, por vezes, também os levavam à morte.
            Ao final, ao apresentar um Dom Pedro II e diversos figurões da sociedade como “enojados” com a decisão da pena de morte, mas considerando-a necessária, a encenação, aparentemente, defende esta posição, uma vez que não a contrapõe com outros discursos de personagens negras ou dos próprios artistas em cena. Assim, a obra pode, mesmo sem ter a intenção, contribuir para o fortalecimento do discurso fascista que renasce com força nos tempos atuais.
            O espetáculo termina com a fala de um personagem branco, defendendo a “humanização”, mas eu me pergunto: como é possível defender a humanização e perpetuar a escravidão ao mesmo tempo?
            Talvez um dos problemas centrais da construção cênica esteja na opção, na maior parte dos momentos, pela forma dramática de interpretação. Aqui entro em algumas especificidades que podem não ficar muito claras para leitores de fora do universo teatral. Mas, uma das máximas em teatro é que “forma é conteúdo e conteúdo é forma”, assim, apresentar um tema complexo como é a escravidão, tentando manter a maior parte dos posicionamentos políticos restritos às falas das personagens, aumenta o risco de que o trabalho, mesmo eventualmente sem querer, reforce um discurso que legitima a violência contra a população negra. Uma opção para o encenador e para o elenco, seria se valer de quebras épicas, com narradores, comentários, inserção de mais documentos históricos ou a assunção de um posicionamento por parte dos próprios artistas em cena, de forma que o público pudesse compreender qual o real posicionamento daquele conjunto de artistas frente à trajetória contada, mostrando as muitas contradições dos movimentos históricos, em vez de reforçar o discurso oficial da época. 
            Tal posicionamento me parece necessário por diversos motivos, entre eles pelas evidências de que apesar de juridicamente abolida do estado brasileiro, a pena de morte contra a população jovem e negra continua válida e cotidiana nas periferias das cidades brasileiras e que, portanto, essa e outras tantas dívidas históricas com o povo negro não foram sanadas.
 
Referências
CARDOSO, Antonio Pessoa. Pena de morte: 400 anos atrás. Disponível em: http://www.ibrajus.org.br/revista/artigo.asp?idArtigo=88 Acesso em 30.abril.2018.
FIGUEIRA JUNIOR, Oseas Batista. Crime e Castigo: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem no Império Brasileiro (1830-1876). Revista História e Diversidade, Cáceres-MT, v. 9, n. 1, p. 188-202, 2017. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/historiaediversidade/article/view/2755 Acesso em: 29.abril.2018.
WESTIN, Ricardo. Há 140 anos a última pena de morte do Brasil. Senado Notícias. 04/04/2016. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/04/04/ha-140-anos-a-ultima-pena-de-morte-do-brasil. Acesso em: 29.abril.2018.


[1] Ator, arte-educador e pesquisador teatral. Professor do Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Rondônia.
[2] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM4.htm Acesso em: 30.04.2018.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

XXI Encontro da RBTR - Ata


XXI ENCONTRO DA RBTR – PARELHEIROS- SP

Mostra Lino Rojas precedeu o encontro nos dias 6 e 7 de dezembro na Praça Julio Cesar Campos em Parelheiros. Com Teatro de Rocokóz (Parelheiros/SP), Grupo Enchendo Laje (Grajaú/SP), Trupe Olho da Rua (Santos/SP), Cia de 2 (São José dos Campos/SP), Mamulengo Rasga Estrada (Presidente Prudente/SP), Exército Contra Nada (São Bernardo dos Campos/SP) e Trupe Lona Preta (Jd. Guaraú/SP).  E encerramos com cortejo pelas ruas do centro.
Todos os coletivos vieram na solidariedade e a verba arrecadada para a Mostra e para o Encontro foi via chapéu virtual, apoio de um comércio local e alimentação do evento de aniversário de Parelheiros no equipamento do CEU.

Estavam representados: Santos/SP- Trupe Olho da Rua e Vila do Teatro; Cubatão/SP- Coletivo 302; Presidente Prudente/SP- Mamulengo Rasga Estrada, Galpão da Lua, Coletivo da Recusa; Assis/SP- Cia Pé de Pano; São Bernardo dos Campos/SP – Coletivo Menelão de Teatro; São Paulo/SP- Grupo Humbalada, Grupo Enchendo Laje, Teatro de Rocokós, Brava Companhia, Núcleo Vermelho, Madeirite Rosa, Sacolão das Artes, Cia. Desconhecido, Estudo de Cena, Cia das Cabras, Cia Canina, CDC Vento Leste, Companhia do Tijolo, Movimento Cabuçu, Cia. Colcha de Retalhos, Companhia Estável, Trupe Barco Niño, Instituto Pombas Urbanas; Florianópolis/SC – Vulkanica; Rio de Janeiro/RJ – Vinicius; Porto Velho/ RO – Alexandre.
 
Relatos

08/12/2017
Local: Sede Teatro de Rocokóz. Parelheiros, extremo sul de São Paulo.
Foi apresentada proposta de organização das plenárias, considerando avaliações de outros anos, de acontecessem em grupos menores para depois as discussões serem dividas na plenária geral. Porém, por estarmos numa quantidade pequena de pessoas, foi deliberado manter a plenária única, com exceção da Roda de Mulheres.
A primeira plenária propôs, através das apresentações, levantar os temas que seriam pautas do encontro, que foram: Encontro da RBTR (logística, frequência, comunicação, etc..);  Organização interna dos grupos;  Invisibilidade Trans; Segurança e Denuncia; Diálogo com a Sociedade Civil; 2018, cenário político/ institucional; Ações/ encaminhamentos
Nesta plenária debatemos sobre o cenário político de 2018, considerando ser um ano de eleições e avanço do conservadorismo. Nos perguntamos sobre um posicionamento da RBTR, mas não houve consenso sobre apoiar candidatos, pelo contrário, não se legitimou o processo de luta por uma democracia burguesa, mas que é necessário desenvolvermos nosso diálogo com a população sobre o fascismo que avança.
No segundo momento falamos sobre a organização interna dos grupos, que estamos mais avançados que a forma do capital, mas que houve uma grande quantidade de rachas entre os grupos nos últimos tempos e que é preciso olhar para isso, os grupos de teatro formaram militantes e é necessário considerar o contexto histórico, mas também a história de cada coletivo.

09/12/2017
Local: CEU Parelheiros
Foi acordado que a ação do cortejo que faríamos seria durante a festa de aniversário de Parelheiros que aconteceu no CEU, único equipamento público de cultura da região. Entretanto, nos deparamos com uma estrutura institucional com a qual não concordávamos. Fizemos uma assembleia extraordinária, discutindo sobre como estávamos correndo o risco de ser devorados por aquela estrutura e que não era conivente realizar o que havíamos combinado anteriormente, que seria um Cabaré de Diversidades com falas sobre o nosso movimento e o tema "A arte não pode ser calada". A partir de então reorganizamos a nossa apresentação e saímos em cortejo. Esse acontecimento nos ensinou que temos capacidade de dar respostas rápidas e coletivas com nossa linguagem, mas que fomos pegos no susto por uma situação que poderia ter sido prevista e que, nesse sentido, estamos muito desarticulados.
Local: Asé Ylê do Hoozoane. Parelheiros, extremo sul de São Paulo.
O coletivo dos Jovens Urbanos apresentaram sua cena (que seria uma das cenas do Cabaré) sobre Violência e Abuso e de maneira muito organizada, puxaram um debate sobre o tema.
A plenária deste dia teve como foco principal a temática "Cultura e resistência". O pai da casa apresentou o ponto de cultura Ylê e os projetos realizados no espaço, as dificuldades e conquistas em relação a organização de bairro, o processo de apropriação e recusa das instituições e burocracias.
Em seguida partimos para o debate em torno das questões de visibilidade trans e de gênero. Foram trazidos relatos e experiências em torno da temática, citando casos de peças e/ou posicionamentos machistas, misóginos, homofóbicos ou transfóbicos dentro dos grupos de teatro. Vulkanica, de Presidente Bernardes-SP/Florianópolis-SC contou um pouco sobre suas experiências como artista trans e dos processos educativos e de militância política nos quais ela está envolvida. Contou ainda de diversos casos de repressão a apresentações e performances trans que vem ocorrendo recentemente.
Tatiane, da cia. Humbalada, do Grajaú, zona sul de São Paulo, contou um pouco acerca das experiências do evento Periferia Trans, realizado pelo grupo e que vai para sua terceira edição, prevista para acontecer em abril de 2018.
Vulka e Tati explicaram ao público presente os conceitos de gênero, sexualidade, cis e trans, feminismo interseccional, entre outros conceitos presentes nas lutas feministas e LGBTT, uma vez que parte do público não estava familiarizada com estes conceitos.
Conversamos sobre como responder estética e politicamente a discursos estéticos fascistas, machistas, homofóbicos, transfóbicos etc, mesmo e principalmente entre nós. Que é necessário discutirmos Humor, considerando nosso tempo histórico e fortalecer nossos trabalhos e as críticas que pretendemos com eles. Neste sentido questionamos sobre o tema "A arte não pode ser calada", que queremos tolerância, respeito, mas como tolerar um discurso fascista sem virar um fascista?
Debateu-se sobre a necessidade de termos respostas rápidas e potentes (estéticas), sobre a necessidade de posicionamento e que, apesar dos lugares de fala distintos, os homens, por exemplo, também podem e devem se posicionar contrariamente a discursos e ações machistas propagados por outros homens.
Também se discutiu sobre a forma de criticar a polícia em determinadas situações e regiões, mais uma questão complexa: Nos propomos ser radicais nos posicionamentos em relação aos nosso companheiros de categoria, mas como agir em relação a esta figura que representa todos os preconceitos ao mesmo tempo, que é a polícia?
Na noite, as mulheres do Teatro de Rocokóz fizeram uma vivencia em torno da fogueira, sobre a temática de gênero e ancestralidade.

10/12/2017
RODA DE MULHERES
Discutimos sobre organização interna dos grupos e da RBTR, que nesta edição foi praticamente organizada pela mulherada. Falamos sobre a resistência do coletivo em aceitar novas propostas. Estamos descobrindo que, quando as mulheres se juntam para uma plenária, ou para organizar algo, a metodologia é diferente, tem um tempo diferente e que todos e todas podemos aprender com isso.
Percebemos que os encontros RBTR em processo de transição, que há um choque de gerações, que é necessário paciência e solidariedade, pois todos estamos aprendendo com esse novo momento e que não queremos destruir o que foi construído, mas também não queremos reproduzir determinadas formas. Reforçamos a necessidade das mulheres se apoiarem dentro do próprio grupo.
Queremos dialogar e seguir lutando com nossos camaradas. Ficamos muito incomodadas com algumas posturas dos companheiros do Movimento Cabuçu de Guarulhos e abrimos na última plenária uma prosa sincera, que seguirá na construção do encontro Estadual da RBTR, em São Paulo, que será por eles sediado.

Plenária Final

Diagnóstico (pelas cartas e manifestos)

Avanços
·         Teatro de Rua nas universidades: houve a inserção nas matrizes curriculares de alguns cursos de graduação em teatro e artes cênicas, projetos de extensão e pesquisa.
·         Publicações acadêmicas ou não, registros dos grupos, presença nos livros didáticos de artes.

Conquistas e Retrocessos
·         Políticas Públicas: o não lançamento dos editais da Funarte: Artes Cênicas na Rua, Myriam Muniz (teatro), Klaus Viana (dança).
·         A não realização, em 2017, das reuniões do colegiado setorial de teatro do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC).
·         O vencimento dos mandatos dos conselheiros das setoriais do MinC (por exemplo, a setorial de teatro), sem a realização de novas eleições.
É importante destacar a manutenção de diversas mostras e festivais de teatro de rua pelo país, inclusive a criação de novas mostras, realizadas por meio de uma rede de solidariedade entre os grupos e @s artistas, com pouco ou nenhum apoio do Estado ou da iniciativa privada.

ENCAMINHAMENTOS

- Realizar um encontro nacional da RBTR por ano e realizar encontros estaduais/regionais.
Pensar em estratégias para que os encontros estaduais auxiliem a captar recursos para fortalecer o nacional, que o chapéu/apoio conseguido nas mostras e encontros estaduais possam ajudar a bancar a vinda de representantes estaduais para o encontro nacional.
Sugestão de que os estados realizem seus encontros no primeiro semestre... E que o encontro nacional seja realizado em meados do ano, em julho, por exemplo, para que os artistas-professores estejam no período de recesso escolar e possam participar do encontro.
- Local do próximo encontro da RBTR:
Existe a proposta de fazer o encontro nacional em Caxias do Sul/RS, sediado pelo Ueba (eles estão em negociação local) e também existe uma demanda de levar para o centro oeste, para facilitar a participação do Norte e Nordeste. Nos próximos meses @s articulador@s da rede se  manterão em diálogo para definir o local.
- Encontro Estadual de Teatro de Rua (MTR/SP): será em Guarulhos/SP, sediado pelo Movimento Cabuçu. Datas e logística serão definidas nas reuniões do MTR/SP.
- Criar uma carta-modelo da RBTR, com base no artigo 5º da Constituição Federal, de apoio aos grupos que fazem arte de rua, pela liberdade de expressão, contra a censura.
- Quando formos apresentar em outras regiões, contatar os grupos locais, por questão de segurança e apoio.
- Fomentar a presença de grupos e/ou artistas trans nas mostras realizadas no contexto da RBTR, pautando a temática da visibilidade trans dentro dos encontros da rede. Pensar a curadoria das mostras levando em consideração a representatividade de gênero e os conteúdos dos espetáculos a serem apresentados.
- Juntar os grupos de WhatsApp da rede em um só: a partir do grupo do XX encontro, de Presidente Prudente e atualizar . Responsável: Amanda Nascimento.
- Atualizar a lista de e-mails e convidar os novos integrantes da RBTR a se integrarem à lista de e-mails: teatroderuanobrasil@yahoogrupos.com.br. Responsável: Alexandre Falcão.
- Site: Fabinho de Santos?, Danilo Lagoeiro (Londrina).
- Facebook RBTR: Cris (Brava), Edu (Menelão).


CONSTRUÇÃO DA CARTA: Após a última plenária e durante a segunda-feira dia 11, muitos de nós seguimos trabalhando no esforço de construir a Carta-Manifesto coletivamente, pois nos pareceu a maneira mais coerente, apesar de mais cansativa e menos eficiente.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Galpão da Lua corre o risco de ser lacrado novamente



Foto João Paulo Pimenta

Desde o final do mês de setembro de 2017, o Galpão da Lua está impedido de realizar atividades abertas ao público no interior de seu espaço, motivo pelo qual, elas têm ocorrido em bairros onde o coletivo normalmente atua, nas imediações externas ao prédio e na Rua Júlio Tiezzi.
A vida que esse espaço ganhou, desde a nossa apropriação, e nossas ações culturais - que beneficiam toda a população da cidade, sobretudo de bairros da periferia - parecem não interessar ao nosso Prefeito. A obtenção de alvará provisório de funcionamento nos foi negada, diante do impasse legal de que não temos o termo de posse do imóvel, único documento que ficaria ausente no processo do pedido. Mas, como pode então, uma empresa como a Cimcal, e algumas outras, que também ocupam de forma irregular os imóveis da União - e o que é mais grave: que não cumprem qualquer função social, mas de finalidade lucrativa - conseguirem alvará de funcionamento? Foi uma benesse dada aos escolhidos? Por que nos é dado esse tratamento diferenciado?
O único impedimento à obtenção do referido alvará é a ausência do termo de posse, e não questões relacionadas à segurança ou acessibilidade do público, uma vez que estamos prontos para executar as reformas e adequações necessárias e apresentar os respectivos laudos. A negativa, também, se sustenta sobre questões de responsabilidade quando se sabe que, na verdade, muitos prédios comerciais e públicos, como escolas e departamentos, funcionam sem a devida regularização, fazendo do nosso caso uma exceção.

Agora, em nova investida, a Prefeitura acusa nosso coletivo de ter descumprido o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), acordo firmado entre o nosso Coletivo e o Ministério Público Estadual, em Setembro de 2017, e que garantia o funcionamento parcial do Galpão da Lua, depois de sua lacração.
 A acusação, endereçada ao MPE e assinada pelo Sr. Prefeito Nelson Bugalho, diz que o Coletivo Cultural Galpão da Lua tem feito a recepção de público dentro de seu espaço para eventos culturais, o que infringiria as normas do TAC. Trata-se de uma afirmação sem fundamento, visto que todas as atividades abertas ao público, desde então, foram realizadas do lado de fora ou em outros espaços públicos da cidade, conforme atesta e comprova nosso relatório de atividades (disponível no link abaixo) nossos registros audiovisuais e as pessoas que nos acompanham.
https://federacaoprudentinadeteatro.blogspot.com.br/2018/02/galpao-da-lua-corre-o-risco-de-ser.html

Tudo indica que querem impedir o trabalho que o nosso coletivo realiza. Perguntamos: qual o interesse dessa administração municipal? Preferem ver o prédio do Galpão Lua e seu entorno novamente abandonados e entregue ao crack, ou como depósito de cimento e cal de uma empresa privada, ao invés de vê-lo como ponto de cultura, que cumpre uma função social e beneficia a população prudentina?

Sabemos que a Prefeitura, depois de nossa ocupação, também, entrou com pedido de posse do imóvel na SPU, mas não demonstrou nenhum interesse em uma posterior regularização do coletivo, o que lhe competiria, caso obtivesse a posse. Resta saber: estamos, então, concorrendo com o poder público?




RELATÓRIO DE ATIVIDADES


Desde 25 de Setembro de 2017, data em que foi firmado o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) entre o Ministério Público Estadual e a Federação Prudentina de Teatro e Artes Integradas – Galpão da Lua - todas as atividades abertas ao público realizadas pelo Coletivo Cultural Galpão da Lua foram realizadas em áreas externas ao espaço de sua atual sede ou em outros espaços públicos abertos da cidade.

Continuamos, no entanto, realizando as atividades internas pertinentes aos trabalhos de cada grupo e artista pertencente ao Coletivo, como ensaios e treinos. São eles: treino de acrobacias aéreas do grupo Lo Circu de SóVeio, ensaio do Grupo Percussivo Maracanóis, ensaio do Grupo Circo Teatro Rosa dos Ventos, ensaio do grupo Mamulengo Rasga Estrada e reuniões administrativas privadas do Coletivo.

A única atividade permanente mantida, que é aberta ao público, são as Práticas de Choro, que acontecem sempre às quartas feiras, às 19h30. E, desde o firmamento do TAC, todas as Práticas de Choro têm sido realizadas na plataforma/calçada externa ao prédio do Galpão da Lua.

Portanto, este sucinto relatório vem responder ao Poder Público Municipal às conclusões de que este Coletivo desrespeitou os termos do TAC ao afirmar que foram realizadas atividades internas com recepção de público no Galpão da Lua.

Assim, conforme exposto, segue relatório descritivo de cada atividade realizada pelo Coletivo desde então.


07/10/2017
Show com Edvaldo Santana
Horário: 21h às 22h
Local: Imediações externas do Galpão da Lua
Estimativa de público: 50 pessoas


O show com o artista paulistano ocupou a calçada/plataforma frontal e parcialmente da via Julio Tiezzi, uma rua sem saída, deixando, assim, a passagem livre para o transito local de moradores e quaisquer outros veículos. O local foi devidamente sinalizado com fita zebrada e cones.




11/11/2017
IV Feira da Reforma Agrária
Horário: 9h às 13h
Local: Imediações externas do Galpão da Lua
Estimativa de público: 100 pessoas

A Feira da Reforma Agrária, desde sua primeira edição, acontece do lado de fora da sede do Galpão da Lua, ocupando a calçada/plataforma frontal do prédio e plataforma lateral. A feria beneficia cerca de 50 famílias assentadas da região do Pontal do Paranapanema e recebe um público de passagem que circula livremente pela rua.



17/11/2017
Espetáculo Hoje Tem Espetáculo!!!
Grupo Circo Teatro Rosa dos Ventos
Horário: 20h
Local: Praça do Posto de Saúde do Bairro Bela Vista
Estimativa de público: 200 pessoas

O espetáculo, que teve patrocínio da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo através do ProAC – Programa de Ação Cultural, teve apoio técnico e de logísticado Galpão da Lua para sua realização.


01/12/2017
Evento Divulgado: Segunda Edição da SextAfro
Horário: 19h

O evento, que fazia parte da programação do festival "Madiba Festival de Arte" e aconteceria na parte externa do Galpão da Lua, foi cancelado devido ao mau tempo.







02/12/2017
Oficina A Ciência do Baque Virado
Eder "O" Rocha
Horário: 15h
Local: Linha férrea
Público: 20 pessoas

Final de semana de comemorações do grupo percussivo fundado dentro do coletivo, as oficinas aconteceram em áreas externas ao Galpão da Lua, quais sejam, na Linha Férrea e Praça da Bandeira.





02/12/2017
V Feira da Reforma Agrária
Horário: 9h às 13h
Local: Imediações externas do Galpão da Lua
Estimativa de Público: 100 pessoas

A Feira da Reforma Agrária, desde sua primeira edição, acontece do lado de fora da sede do Galpão da Lua, ocupando a calçada/plataforma frontal do prédio e plataforma lateral. A feria beneficia cerca de 50 famílias assentadas da região do Pontal do Paranapanema e recebe um público de passagem que circula livremente pela rua.




03 de Dezembro de 2017
Oficina A Ciência do Baque Virado
Eder "O" Rocha
Horário: 10h
Local: Praça da Bandeira
Público: 15 pessoas

Final de semana de comemorações do grupo percussivo fundado dentro do coletivo, as oficinas aconteceram em áreas externas ao Galpão da Lua, quais sejam, na Linha Férrea e Praça da Bandeira.




03/12/2017
Cabaré Cultural
Horário: 20h
Local: Parque do Povo
Estimativa de Público: 150 pessoas

Apresentação do espetáculo coletivo Cabaré Cultural realizado através do edital de circulação GIRAARTE 2017, foi realizada no Parque do Povo, de acordo com programação e cronograma definidos pela Secretaria Municipal de Cultura de Presidente Prudente.



10/12/2017
Cine na Linha
Filme Tartarugas Podem Voar
Local: Linha Férrea
Público: 02 pessoas



13/12/2017
Espetáculo Forfé
Projeto Busca Vidas – Palhaço Nelson do Bigodinho
Horário: 20h
Local: Parque do Povo
Estimativa de Público: 250 pessoas

O espetáculo teve a promoção do Galpão da Lua que deu apoio técnico e de logística para sua realização, assim como a recepção do artista.



14/12/2017
Cine na Linha
Local: Galpão da Lua
Público: 0 – evento não ocorreu



15/12/2017
Batalha do Vale Especial de Natal
Horário: 19h
Local: Imediações externas do Galpão da Lua
Estimativa de público: 200 pessoas

Evento de batalha de freestyle que acontece, tradicionalmente, todas as sextas feiras na popular Praça do Vale, realizou sua última edição do ano de 2017 na plataforma externa do Galpão da Lua.





19/12/2017
Espetáculo Forfé
Projeto Busca Vidas – Palhaço Nelson do Bigodinho
Horário: 19h
Local: Praça 09 de Julho
Estimativa de Público: 200 pessoas

O espetáculo teve a promoção do Galpão da Lua que deu apoio técnico e de logística para sua realização, assim como a recepção do artista.



22/12/2017
Espetáculo O Sumiço do Boi Pintadinho
Grupo Mamulengo Rasga Estrasa
Horário: 20h
Local: Imediações externas do Galpão da Lua

Espetáculo aconteceria na parte externa do Galpão da Lua ocupando parcialmente a via Julio Tiezzi, que estava devidamente sinalizada. O espetáculo foi cancelado por intermédio da Polícia Militar que levou um dos integrantes do grupo para prestar esclarecimentos sobre o evento no momento da apresentação.




13/01/2018
VI Feira da Reforma Agrária
Horário: 9h às 13h
Local: Imediações externa do Galpão da Lua
Estimativa de público: 100 pessoas

A Feira da Reforma Agrária, desde sua primeira edição, acontece do lado de fora da sede do Galpão da Lua, ocupando a calçada/plataforma frontal do prédio e plataforma lateral. A feria beneficia cerca de 50 famílias assentadas da região do Pontal do Paranapanema e recebe um público de passagem que circula livremente pela rua.




18/01/2018
Espetáculo Contos da Floresta
Grupo Caravana Mangará
Horário: 20h
Local: Praça do Wi-Fi Conjunto Habitacional João Domingos Netto
Estimativa de público: 50 pessoas

Espetáculo do grupo acreano, promovido pelo Coletivo Cultural Galpão da Lua, recebeu apoio técnico e de logística.






20/01/2018
Espetáculo Rua Sem Saída
Grupo Nativos Terra Rasgada
Horário: 20h
Local: Praça do Wi-Fi Conjunto Habitacional João Domingo Netto
Estimativa de Público: 200 pessoas

Espetáculo que recebeu apoio técnico e de logística do Coletivo Cultural Galpão da Lua, teve patrocínio da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo através do ProAC – Programa de Ação Cultural.


23/01/2018
Noite Acreana
Grupo Caravana Mangará
Horário: 19h
Local: Imediações externas do Galpão da Lua
Estimativa de público: 30 pessoas

Evento organizado pelo grupo Caravana
Mangará para a promoção da cultura
acreana.. Para sua realização foi ocupada a
calçada/plataforma frontal e parcialmente a
via Julio Tiezzi, rua sem saída, deixando,
assim, a passagem livre para o transito local
de moradores e quaisquer outros veículos.
O local foi devidamente sinalizado com fita
zebrada e cones.
































Atividade Permanente Abera ao Público:
Todas as quartas, às 19h30
Práticas de Choro
Local: Plataforma/calçada externa ao Galpão da Lua e pequena parte da via



Este Coletivo, portanto, afirma que não desrespeitou os termos do TAC pois não realizou evento interno com recepção de público.

Reiteramos, ainda, que não encontramos saída para a regularização do espaço, conforme as normas urbanísticas municipais, sem o termo de posse ou cessão de uso do imóvel.

Dispostos a quaisquer esclarecimentos, pedimos solicitude com o fato.

Atenciosamente,


Coletivo Cultural Galpão da Lua